SÃO mais de 150 mil documentos, retirados de 100 departamentos do Governo, que estão na base de dados do novo “Assistente Chinês-Português” (CPA, na sigla inglesa). Uma ferramenta presente na internet, como um simples motor de busca, que pode ajudar tradutores e profissionais dos meios de comunicação a ver uma palavra no contexto de um documento oficial -notas de imprensa, boletins oficiais, discursos, leis ou regulamentos, em português e em chinês.
“A base de dados nas duas línguas vem dos departamentos do Governo de Macau, acumulados na última década”,conta Bill Gao, director da empresa Boss Traduções Limitada, membro do Macau New Technologies Incubator Centre (Manetic), que desenvolveu a nova ferramenta. Acima de tudo, o objectivo é reutilizar os documentos oficiais bilingues, mantendo a e “fia-bilidade” e “consistência”.
No entanto, o especialista à frente da ferramenta vê ainda uma outra potencialidade no novo instrumento. “O sistema pode não só melhorar a indústria de tradução chinês--português, como o papel de Macau enquanto plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.”
O produto foi, de resto, antecipado por um grupo de estudantes e pelo especialista emtecnologias informativas, que sentiam que os aparelhos de tradução estrangeiros já estavam preparados para os tradutores ocidentais, ao contrário dos chineses.
Bill Gao avançou com o projecto por conta própria, sem apoios governamentais, e com uma equipa de 10 pessoas que o acompanha há ano emeio. Para j á ainda não conta com qualquer português no grupo de manutenção do site que lhe possa verificar a documentação utilizada mas espera ter em breve.
Aversão final do motor de busca vai estar disponível online em ftp.boss.com. mo, gratuitamente nos primeiros três meses. Passado esse período, quem quiser usufruir da ferramenta vai ter de pagar entre duas mil a três mil patacas. - R.M.R.